sábado, 5 de Abril de 2014

Boas férias da Páscoa... com música a propósito

aqui tinha sugerido isto há algum tempo, mas volto a insistir. Eu sei que poucos de vós ouvem este tipo de música, mas dêem o benefício da dúvida e experimentem ouvir com atenção. Talvez não seja má ideia ouvir diferentes tipos de música. 

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Cruel

Como todos os géneros musicais, também a música pop tem coisas boas e coisas más. St. Vincent é pop e é boa. Vale a pena ouvirem outras músicas de St. Vincent. Contrariamente ao que se espera da música pop, talvez não se goste desta à primeira audição, pois soa algo estranha. Mas é quase sempre imaginativa, sobretudo na maneira invulgar como ela usa a guitarra.

domingo, 23 de Março de 2014

Hume e as percepções

Retirado do novo manual 50 Lições de Filosofia, 11º Ano (Didáctica Editora)

sexta-feira, 7 de Março de 2014

Aprender filosofia com a história da filosofia


Decorreu esta manhã a XV Conferência de Filosofia da Teixeira Gomes. O tempo correu depressa e o Professor António Pedro Mesquita, da Universidade de Lisboa, ainda tinha mais para dizer. O destaque foi sobretudo para a teoria da felicidade de Aristóteles, a principal influência das concepções do período helenístico, de que se destacam o epicurismo e o estoicismo. Muitos dos presentes ficaram com vontade de assistir a uma segunda conferência sobre as concepções clássicas da felicidade. Quem sabe se um dia... 

Entre as muitas ideias interessantes que nos foram explicadas, sublinho aquela com que o Professor António Pedro Mesquita iniciou a sua conferência, e que constitui a melhor justificação para o estudo da história da filosofia. Assim, antecipando a resposta para a pergunta sobre a utilidade da história da filosofia, o Professor António Pedro Mesquita argumentou que o seu estudo permite:

  • evitar "abrir portas abertas";
  • descobrir potencialidades não desenvolvidas na teoria original;
  • servir de modelo ou inspiração para novas retomadas de soluções já dadas;
  • em geral, ajudar a mapear um problema e as suas soluções;
  • ou a experimentar a coerência, solidez e força de determinado paradigma filosófico mais ou menos frequente (por exemplo, o aristotélico, o kantiano, etc.)

Como se vê, boas razões não faltam. Resta-nos agradecer, mais uma vez, ao Professor António Pedro Mesquita.



quarta-feira, 5 de Março de 2014

As doutrinas da felicidade na Antiguidade Clássica

Todos serão muito bem vindos.

Felicidade, por António Pedro Mesquita na ESMTG

É já na próxima sexta-feira que se realizará a XV Conferência de Filosofia da Teixeira Gomes, tendo como conferencista convidado o Professor António Pedro Mesquita, da Universidade de Lisboa, que virá falar das doutrinas da felicidade na Antiguidade Clássica. Aqui fica, para abrir o apetite, esta pequena entrevista com o Professor António Pedro Mesquita. Estão todos convidados.

sábado, 8 de Fevereiro de 2014

Midlake "It's Going Down"

Esta é a música que acompanha a correcção dos vossos testes. Espero que os resultados sejam tão agradáveis como esta canção... mas que não correspondam ao seu título.


terça-feira, 4 de Fevereiro de 2014

Ai os cépticos... os cépticos!




O cético defende
O cético
não defende
1. Nenhuma crença é verdadeira.

X
2. Por vezes pensamos que acreditamos mas não acreditamos.

X
3. Uma crença tem de ser justificada para ser conhecimento.
X

4. Todas as opiniões são falsas.

X
5. Os sentidos enganam-nos sempre e em todos os casos.

X
6. Qualquer crença se baseia noutra crença.
X